segunda-feira, outubro 23, 2006

Eu também!

Assim como a maior parte (85%) do pessoal que votou na enquete abaixo, sou da opinião de que o Zune, MP3 player da Microsoft, não vai conseguir nem de longe desbancar o iPod.

Mas não adianta só achar, portanto aqui vão meus argumentos.

A Microsoft está entrando em um mercado com praticamente 5 anos de atraso, uma vez que o primeiro iPod foi lançado em novembro de 2001 e o Zune deve chegar ao mercado em novembro de 2006. Tratando-se de um mercado de alta-tecnologia, onde o ciclo de vida dos produtos é sempre mais curto, 5 anos é um bom tempo.

Enquanto a Apple aumentou sua participação no mercado mundial de 20% em 2004 para 26% em 2005, contabilizando até hoje mais de 67 milhões de iPods vendidos, todos os seus concorrentes de expressão como Creative, iRiver, Samsung e SanDisk, tem perdido fatias que variam de 1% a 6%. Observa-se ao mesmo tempo um aumento significativo do mercado de “genéricos” que tem como estratégia competitiva o baixo preço.

Ou seja, temos aqui dois extremos: de um lado a Apple que oferece o melhor produto, sem se preocupar necessariamente com o preço, e do outro lado os “genéricos” que são os mais baratos, sem se preocupar necessariamente com grandes diferenciais.

Todos os competidores que ficarem no meio inevitavelmente irão desaparecer. Prova disso é o fato da Dell já ter abandonado há algum tempo seu player chamado DJ Ditty. O player baseado em harddisk ficou no mercado apenas 4 meses, e o baseado em memória flash ficou apenas 11 meses, tempo suficiente para perceber que não poderia competir no mercado. Hoje ela só comercializa produtos de terceiros (SanDisk, Samsung e Creative)

No entanto, apesar de todas as evidências, adivinhe onde é que a Microsoft está posicionando o seu produto? Exatamente no meio do mercado.

Para compensar todo esse atraso seria necessário oferecer um produto que tivesse ao menos um diferencial atraente, a ponto de fazer com que alguém que ainda não tem um MP3 player opte pela Microsoft frente a tantas outras opções; ou então atacar no preço, fazendo com que seu produto fosse mais barato que o seu principal concorrente. No entanto a Microsoft optou por não fazer nenhuma coisa, nem outra.

O diferencial que vem sendo anunciado é a capacidade do Zune de se conectar com outro Zune via Wi-Fi para compartilhar músicas. O problema é que esse compartilhamento permite que os arquivos só sejam utilizados 3 vezes ao longo de 3 dias, depois disso é necessário adquirir a música em sua loja online.

Com relação ao preço, nenhuma diferença também, uma vez que o Zune de 30gb vai custar exatamente o mesmo que o iPod de 30gb, ou seja, US$ 249,00.

É até compreensível a estratégia da Microsoft de equiparar seu equipamento em preço com o iPod na tentativa de posicioná-lo no mesmo patamar de qualidade, transferindo a decisão de compra para outros fatores como marca e funcionalidades; entretanto essa é uma manobra um tanto arriscada para quem é uma novata no mercado.

Outro fator que deve ser considerado é a fase de maturidade do mercado uma vez que a Apple já vem trabalhando em um novo produto, para um novo segmento, demonstrando que o iPod logo deixará de ser o carro chefe da empresa.

Também conta nessa avaliação o fato das vendas da Apple não apresentarem mais grandes picos de crescimento, diminuindo a curva de crescimento acumulado nos anos. Com exceção do primeiro trimestre de 2006 que teve um grande volume de vendas decorrente da introdução do “iPod Nano”, as vendas até agora vem se mantendo na faixa de 8 milhões de unidades, devendo permanecer assim até o final do ano segundo projeções da própria empresa.

Agora é só esperar para ver =)

3 comentários:

Anônimo disse...

Acho que só o tempo irá dizer mesmo, quem diria há alguns anos que o MSN da Microsoft iria acabar literalmente até então com o todo poderoso ICQ?

z3 disse...

O comentáriasta anônimo do post anterior esqueceu de considerar as significativas diferenças entre o comércio de hardware e software, bem como de avaliar as estratégias de marketing discrepantes que eram empregadas entre a Mirabilias (produtora do ICQ) e a Microsoft.

Neste caso ambas as empresas têm o mesmo acesso às mesmas mídias, bem como capacidade equânime de alocação de recursos nesta área.

z3 disse...

O comentáriasta anônimo do post anterior esqueceu de considerar as significativas diferenças entre o comércio de hardware e software, bem como de avaliar as estratégias de marketing discrepantes que eram empregadas entre a Mirabilias (produtora do ICQ) e a Microsoft.

Neste caso ambas as empresas têm o mesmo acesso às mesmas mídias, bem como capacidade equânime de alocação de recursos nesta área.