domingo, abril 16, 2006

Chega de tanto WWW

Transformado em sinônimo de Internet a sigla WWW (World Wide Web) representa simplesmente um serviço (recurso) disponível na rede, assim como o e-mail, o ftp, etc.

Antigamente quando alguém fornecia o endereço de um site, ele era transcrito na forma completa http://www.xyz.com.br.

Além de ser redundante, ocupava tempo e espaço.

Com a popularização da internet e consequentemente dos browsers, foi adotado como padrão nos navegadores o protocolo http, ou seja, ao digitar qualquer endereço o navegador interpretava a requisição como sendo de uma página e adicionava automaticamente o prefixo http:// ao fazer uma requisição ao servidor.

As pessoas perceberam então que poderiam omitir esse prefixo, e convencionou-se a divulgar apenas o www.xyz.com.br. Uma coisa a menos para precisar lembrar.

No entanto o www não acompanhou o destino do http:// e continua até hoje, ocupando espaço desnecessário.

Tecnicamente não existe uma razão para digitar o www toda vez que você acessa um site. Digitar xyz.com.br é o suficiente pois o servidor sabe que se trata de uma requisição de uma página, o próprio navegador já passa essa informação.

Já pensou se toda vez que você fosse enviar um e-mail para alguém, ao invés de digitar fulano@xyz.com.br você tivesse que digitar fulano@mail.xyz.com.br? É exatamente a mesma coisa. O programa já avisa para o servidor que se trata de uma mensagem de e-mail, para que o usuário não tenha que se preocupar em guardar informações desnecessárias.

Além disso, a simples pronúncia do www acaba tomando mais tempo do que o próprio nome do domínio, que é infinitamente mais importante. A pronúncia da sigla www possui 9 fonemas (sílabas) ou seja, o triplo da palavra original World Wide Web que tem apenas 3 fonemas.

Isso sem contar os problemas que a palavra www traz às línguas que não tem o w em seu alfabeto originalmente, como é o caso do português. Na Espanha por exemplo pronuncia-se www como “uve doble, uve doble, uve doble” e na Finlândia “dvojité veh, dvojité veh, dvojité veh”. Mais fácil pular direto ao nome do domínio, não acha?

Existe até um site chamado no-www que prega o fim do uso do www nos endereços.

De acordo com o site, mais de 12.000 domínios já foram testados desde 2003, e todos eles funcionam perfeitamente bem sem o www.

Nesse mesmo site existe um sistema que você pode usar para testar o seu servidor e ver como ele responde às requisições com ou sem o www, questões de redirecionamento e várias outras informações técnicas.

Enfim, parecem existir mais razões para não utilizar o www do que para utilizar, mas se você prefere fazer as coisas à moda antiga, economize tempo: tanto o Internet Explorer quanto o Firefox completam o endereço automaticamente para você, basta digitar o domínio, por exemplo xyz e pressionar ao mesmo tempo as teclas Control+Enter, que ele adiciona o http://www e o .com.br.

Um comentário:

Jônatas Gardin disse...

É lastimável quando se vai acessar um site e quando o www não é informado o site não entra ou da páu.